quarta-feira, 29 de julho de 2020

BOB JOE

Bob Joe nasceu em Caculé, no estado da Bahia. É um apaixonado pela música e despertou sua paixão logo cedo, na época em que aboiava o gado na fazenda de seu pai, a cantarolar seu tireolei. Inspirado no personagem Rex Alen do filme “Índio nas Montanhas do Tirol” criando assim um estilo marcante que o consagrou como grande percursor do country no Brasil. O primeiro disco veio por intermédio do amigo Zé da Estrada que gentilmente não hesitou em usar seu prestígio, apresentando Bob Joe para seu diretor artístico pleiteando sua inclusão no cast da gravadora, no que foi prontamente atendido. Qual não foi surpresa, o disco conferiu-lhe grande sucesso e execução de vendagem superando até mesmo as expectativas. Daí por diante Bob Joe ficou famoso e conquistou automaticamente a consagração ao colecionar vários sucessos com 18 LPs que gravou; sendo que alguns teve a participação especial da cantora e acordeonista Linda Maria. Na década de 70 Bob Joe e Linda Maria foram diretores artísticos do primeiro programa de rodeio na televisão brasileira “Os Grandes Rodeios” na TV Cultura dando continuidade na TV Bandeirantes com a direção e apresentação de Aldeni Faia. Excursionou por várias regiões do Brasil fazendo Shows em Feiras Agropecuárias, Rodeios, Festas de Prefeituras, Circos e eventos em geral, sempre com sucesso de público garantindo graças ao seu talento. Contudo Bob Joe sempre foi ousado e pronto para enfrentar novos desafios em sua carreira, principalmente quando aceitou o convite do seu amigo Beto Carrero para ser artista exclusivo onde atuou com brilhantismo nos últimos dez anos. Voltou ao estúdio em 2009 para atender ao pedido de participação especial no mais novo CD do amigo narrador de Rodeios Gleydson Rodrigues, que durante a gravação Bob Joe encantou todos os presentes no estúdio, apoiado por Manasses Fróis, Thoninho Mattos e João Resende, aceitou a idéia de gravar um CD, o repertório composto de 16 músicas na mais nova linguagem country nacional, e o requinte e letras de bom gosto, tudo isso somando a interpretação marcante de Bob Joe, nos dá certeza de que este será o melhor CD do seu estilo. - Tirado de: Recanto Caipira.

segunda-feira, 27 de julho de 2020

LÉO CANHOTO E ROBERTINHO

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. - Léo Canhoto e Robertinho foi uma dupla de cantores da música sertaneja brasileira formada por Leonildo Sachi e José Simão Alves em 1969 na cidade de Goiânia. Leonildo Sachi (Anhumas, 1936 - São Paulo, 25 de julho de 2020), mais conhecido como Léo Canhoto, foi um empresário, cantor e compositor. Nascido no interior de São Paulo, mas criado no Paraná, ganhou o apelido por inverter as cordas do violão para tocá-lo. Iniciou a carreira, cantando em picadeiros de circo. "Maurinho e Zé Canhoto" foi a sua primeira dupla, gravando o disco "Os Canarinhos do Sertão". Em 1969, uniu-se com José Simão Alves, formando a "Léo Canhoto e Robertinho". A partir da década de 1960, destacou-se como compositor, fornecendo músicas para duplas como: "Zilo e Zalo", "Pedro Bento e Zé da Estrada", "Zico e Zeca"; ou para trios, como "Luizinho, Limeira e Zezinho". Sua primeira música gravada como compositor, foi "Engano do Carteiro", no disco da dupla "Zico e Zéca". Também empresariou e produziu várias duplas, como "Sulino e Marrueiro" ou "Vieira e Vieirinha". Depois que a dupla de desfez pela segunda vez em 2017, Léo fez parceria com Dino Santos. Morreu em 25 de julho de 2020, aos 84 anos, em decorrência de uma sequências de paradas cardíacas. José Simão Alves (Água Limpa, 1944), mais conhecido como Robertinho, apelido ganho por ser fã incondicional de Roberto Carlos, é um cantor e compositor. Depois de tentar a vida como tintureiro, sapateiro e tratorista, iniciou a carreira artística em Buriti Alegre no trio "Jota, Jotinha e Marquinho". Depois de gravar um disco, o trio se desfez e em 1968, conheceu Leonildo Sachi com quem formaria a "Léo Canhoto e Robertinho", em 1969. A dupla, formada em 1969, foi pioneira na utilização de instrumentos eletrônicos, revolucionando a música sertaneja, quando eram só usadas a viola e violão. Em alguns dos seus shows, eram utilizados contrabaixos, teclados e guitarras, porém; como várias apresentações ocorriam em circos e a energia elétrica era deficitária nestes locais, shows com equipamentos eletrônicos eram raros no inicio de carreira. Também inovaram na aparência, usando óculos escuros, cabelos compridos e roupas extravagantes. Ainda em 1969, gravaram, pela RCA Victor, seu primeiro disco. Em 1972, se tornam a primeira dupla sertaneja a ganhar um disco de ouro, com o sucesso da música "Apartamento 37". Em 1975, lançam a música "O Presidente e o Lavrador". Esta composição agradou o então presidente do Brasil, Ernesto Geisel, que os condecorou com a medalha do "brasão da República". Em 1977, se arriscaram no cinema, protagonizando o filme Chumbo Quente, escrito por Léo Canhoto. Esta iniciativa, desencadeou alguns trabalhos na área, como a atuação do longa-metragem "Chumbo Quente" (1978), dirigido por Clery Cunha. Léo e Robertinho trabalharam como atores no filme e Léo ajudou a escrever os argumentos, além de lançarem um disco com as músicas do filme. Em 1979, a canção "Motorista de Caminhão", composta pela dupla, é escolhida para integrar a trilha sonora do seriado da TV Globo, Carga Pesada. Neste período, lançam vários sucesso, como "Segura a Peteca" (1979) ou parodiam a Jovem Guarda, como em "Meu Carango" (1976), uma alusão ao "O Calhambeque", presente no disco É Proibido Fumar, de Roberto Carlos. Outra música da dupla que ganha simpatia pelos presidentes militares é "Minha Pátria Amada" (1971). Tanto "O Presidente e o Lavrador" como "Minha Pátria Amada", são canções ufanistas e de apoio ao regime totalitária da época. Outra forma de ganhar fãs, são as músicas com diálogos e efeitos sonoros inspirados nos filmes spaghetti western das décadas de 1960 e 1970, como "Jack, o Matador" (1969), "Homem Mau" (1969), "Rock Bravo Chegou para Matar" (1970) ou "Buck Sarampo" (1971). Em 1983, a dupla se desfez. Após um breve período separados, quando Léo preferiu uma carreira solo, a dupla é refeita em 1989. No reinício deste período, ganham espaço com o novo sertanejo da década de 1990, fazendo participações em trabalhos de duplas como Chitãozinho e Xororó ou Milionário e José Rico e compondo músicas como "Vou Tomá um Pingão" ou "Último Julgamento" (ambas de 1997). Em 2017, Leonildo e José Simão terminam a dupla definitivamente, pois com a morte de Léo Canhoto, em 2020, não existe mais a possibilidade de retorno.

sábado, 25 de julho de 2020

MARTINHA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Martha Vieira Figueiredo Cunha, a Martinha (Belo Horizonte, 30 de junho de 1947 é uma cantora e compositora brasileira. Foi apelidada de "Queijinho de Minas" por Roberto Carlos. Destacou-se na Jovem Guarda participando de programas musicais e de entrevistas nas mais importantes emissoras de televisão. Seu grande sucesso foi Eu daria a minha vida, gravada em 1968, depois também gravada por Roberto Carlos, exemplo seguido por outros cantores. Ao longo de sua carreira, iniciada em 1966 e feita no Brasil e no exterior, gravou 23 LP, que somaram três milhões de cópias vendidas. Alcançou grande êxito na América Latina com canções como "Hoy daria yo la vida", "Llueve", "Aquí", "Água Caliente", "Que Homem é Esse", "Secretos", Etc. Ganhou todos os prêmios possíveis no país, e muitos outros no exterior. Como compositora, conseguiu grande êxito, tanto com cantores da Jovem Guarda como com os sertanejos. Atualmente reside na cidade de São Paulo. Filha única, desde pequena cantarolava músicas que compunha. Aprendeu a tocar piano aos cinco anos de idade. Era filha de Dª Ruth, a famosa Candinha, que assinava a coluna "Mexericos da Candinha", na fase áurea da Revista do Rádio, editada pelo jornalista Anselmo Domingos desde 1948 até o final da década de 1960.

sábado, 18 de julho de 2020

TRIO LOS ANGELES

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Trio Los Angeles é um conjunto musical brasileiro, formado em São Paulo e um dos principais representantes da música brega com variações do pop e de música dançante. O Trio Los Angeles surgiu em 1982, quando o então manequim Marcio Mendes juntou-se à duas morenas de sua equipe, sua irmã Ana Maria e Cléo Ferreira, e formou o trio, à convite da gravadora RCA, junto com a coreógrafa e amiga Lourdes Rosa. No mesmo ano, começou a ganhar fama através do hit "Vamos Dançar Mambolê". O compacto rendeu ao grupo um disco de ouro e outro de platina. As principais características do trio eram as músicas caribenhas e o uso de elementos sensuais e oitentistas, como maiôs asas-delta, bustiês coloridos e danças sexy. Em 1984, alcançaram o sucesso no Brasil com a música "Transas e Caretas", tema de abertura da novela homônima da Rede Globo. Logo, o Trio Los Angeles se consolidou em uma atração principal dos programas dominicais. Porém, o trio quase encerrou suas atividades quando uma de suas integrantes, Cléo Ferreira, engravidou, em 1992. Márcio retornou ao mundo da moda e abriu um confecção de roupas e um curso de manequim. Mas seu sonho nunca deixou de existir. Logo após, contratou Regina, com quem gravou alguns CDs. Regina foi substituída por Ângela ainda no ano de 1992, e após isso, várias outras integrantes foram sendo incorporadas, sempre mantendo sua irmã, Ana Mendes. Parou novamente por mais um tempo, pois Ana estava com problemas de saúde. Retornou anos mais tarde, com uma nova formação: as morenas foram substituídas pelas loiras Madalena Ravesca e Adriana Alonso. Márcio ainda apresenta um programa voltado ao público da terceira idade no canal NGT (canal 48 UHF de São Paulo), denominado "O Melhor da Vida com Márcio Mendes" e segue em carreira solo.

sexta-feira, 17 de julho de 2020

RIACHÃO E RIACHINHO

Vitório Cioffi (Riachão) nasceu em 1934; e Orlando Cioffi (Riachinho), nasceu em 1937, ambos na Fazenda Quincas Dias do fazendeiro Joaquim Dias, no município de Jimirim, no estado de Minas Gerais, lugarejo anteriormente conhecido como Machadinho, hoje em dia, Poço Fundo. Vitório e Orlando vieram de uma família de bastante riqueza musical e folclórica, com cinco irmãos cantadores: as duplas Riachão e Riachinho, Moreno e Moreninho (Pedro e João Cioffi) e também o Catireiro (Omero Cioffi) que, além de apresentar alguns programas regionais de TV, também integrou a dupla "Bate-Pé e Catireiro". Riachão e Riachinho gravaram o primeiro disco 78 rpm no ano de 1955, na gravadora Colúmbia, com as músicas "Despedida" e "Castigo de Santos Reis". No mesmo ano, a dupla gravou o segundo disco 78 rpm, também na Colúmbia, com a moda de viola "Boi Assombração" e o cururu "Índio Paulistano". Em 1956, gravaram o terceiro disco 78 rpm, também na Colúmbia, com o hino "Ave Maria" e a moda de viola "Mutirão do Italiano". No mesmo ano, a dupla gravou o quarto disco 78 rpm, também na Colúmbia, com a moda-catira "Cuiabano Araçá" e o cateretê "Catira da Ventania". Lançaram mais dois 78 rpm pela Colúmbia em 1957, com a toada "A Sanfoneira" e o cururu "Folião Conquistador", e no outro disco, a toada "A Vida do Aleijadinho" e a moda de viola "Namoro de Hoje". Após esses seis discos 78 rpm, a dupla, por motivos particulares, ficou algum tempo sem gravar, retornando ao disco em dezembro de 1963, com o lançamento do 78 rpm, pelo Selo Sertanejo, com o relançamento da moda de viola "Namoro de Hoje" e a valsinha "Mulher Honrada". Em agosto de 1964, gravaram também pelo Selo Sertanejo, o relançamento da moda de viola "Mutirão do Italiano" e o rasqueado "Meu Amor". A dupla Riachão e Riachinho gravou somente 16 músicas nesses oito discos 78 rpm. Fizeram sucesso também como compositores, com a congada "Treze de Maio" (Teddy Vieira, Riachão e Riachinho), que foi gravada pelos seus irmãos Moreno e Moreninho, em 1956. Outro grande destaque na composição é "A Marca da Ferradura" (Lourival dos Santos e Riachão), gravada por Tonico e Tinoco. Riachinho gravou no ano de 2004 o CD "Sonho Realizado" pela Chororó, com regravações de alguns sucessos de Riachão e Riachinho, como "Mutirão do Italiano" e "Meu Amor", além de clássicos da música caipira raiz, como "Chalana", "Destinos Iguais" e "Cabocla Tereza". Riachão também chegou a atuar como humorista no programa de TV que era apresentado pelo Catireiro. Atualmente, Riachão mora em Poços de Caldas/MG, onde fundou a "Orquestra Paisagem do Sertão" composta por 16 violeiros e da qual "Morena e Moreninho" também participaram em uma das apresentações que teve lugar no Coreto Central em Poços de Caldas. Riachinho faleceu recentemente. Dos cinco irmãos, permanece vivo e na estrada somente Riachão. Texto: Sandra Cristina Peripato - De: Recanto Caipira

sábado, 11 de julho de 2020

MODERN TALKING

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. - Modern Talking foi uma dupla alemã, composta pelos músicos Thomas Anders e Dieter Bohlen, tendo tido sucesso, principalmente nos anos 80. Foi o duo pop mais bem sucedido da Alemanha, e de uma certa maneira, moldou a história musical da década de 1980. Dentre suas canções mais populares, estão "You're My Heart, You're My Soul", "You Can Win If You Want", "Cheri, Cheri Lady", "Brother Louie", "Atlantis Is Calling (S.O.S. for Love)" e "Geronimo's Cadillac". Na maioria de suas canções, eram empregados cantores de fundo, que faziam principalmente os refrões e que contava com Rolf Köhler, Michael Scholz, Detlef Wiedeke e, inicialmente, Birger Corleis. Foi o grupo musical mais próspero na Alemanha por número de vendas. Suas composições eram cantadas em inglês. O grupo existiu de 1984 a 1987, e de 1998 a 2003. Até 2003 o grupo havia vendido mais de 120 milhões de discos, sendo que só na década de 1980, haviam vendido mais de 60 milhões de discos.

sexta-feira, 3 de julho de 2020

SERGIO REIS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Sérgio Reis, nome artístico de Sergio Bavini (São Paulo, 23 de junho de 1940) é um cantor, compositor sertanejo, ator, apresentador televisivo e político brasileiro. Paulistano nascido no tradicional bairro de Santana, fez parte da Jovem Guarda na década de 1960, criando em 1967 a música "Coração de Papel". Gravou seu primeiro disco de música sertaneja com a música "Menino da Gaita", em 1972. Seguiu-se o sucesso de "Menino da Porteira", "Adeus Mariana", "Disco Voador", "Panela Velha", "Filho Adotivo", "Pinga ni Mim" e várias outras canções. Seu disco O Melhor de Sérgio Reis, lançado em 1981, vendeu mais de 1 milhão de cópias. O cantor optou por adotar o sobrenome de sua mãe, pois não achava o sobrenome de seu pai adequado para o ramo artístico. No ano de 2002, Sérgio Reis prestou uma homenagem a Roberto Carlos, com o CD intitulado Nossas Canções, onde interpretou músicas gravadas por Roberto Carlos, de autoria deste em parceria com Erasmo Carlos e de outros compositores. No ano de 2003, Sérgio Reis gravou seu primeiro DVD, intitulado Sérgio Reis e Filhos - Violas e Violeiros, e como o próprio título diz, teve seus filhos como músicos na apresentação. Em 2010, para comemorar os mais de 40 anos de parceira, Sérgio Reis e Renato Teixeira lançaram o álbum (CD e DVD) ao vivo Amizade Sincera, que reuniu clássicos da música sertaneja. Em 3 de março de 2012, o cantor caiu de uma altura de aproximadamente dois metros durante apresentação em show na cidade de Três Marias, em Minas Gerais, e permaneceu internado para exames mais detalhados. No dia 20 de novembro de 2014, o cantor recebeu o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Sertaneja pelo álbum Questão de Tempo. Em 2015, recebeu o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música sertaneja pelo CD/DVD Amizade Sincera II, em parceria com Renato Teixeira.

ARLINDO BÉTTIO

Arlindo Béttio nasceu em 1920. Compositor, instrumentista, sanfoneiro, irmão do radialista e sanfoneiro José Béttio e do comunicador Oswald...