quinta-feira, 14 de março de 2019

JOAQUIM E MANUEL

Vitorio Nochi passou a ser Joaquim em 1976, seguindo a dica do humorista Murilo de Amorim Correia (Jacinto), que também era produtor da gravadora CBS, inventou uma dupla com um estilo diferente. O que eles chamavam de "lusitano satírico" era uma espécie de Roberto Leal, em suas vozes, e mais escrachado. Ainda sem nome definido, pensava em algo enquanto tomava um café na padaria. Ao olhar para frente, viu os portugueses Joaquim e Manuel servindo seus clientes. Surgiu então a idéia: sua dupla levaria o nome dos sócios da padaria. Ele seria Joaquim e seu par, quem quer que fosse, seria o Manuel. Joaquim e Manuel teve então sua primeira formação com Vitorio Nochi (Joaquim) e Roberto Paschoa (Manuel). Roberto se separou do Joaquim em 1985, e faleceu em 1993, aos 37 anos, vítima de complicações duma cirrose. Vitorio, então, abandonou o "lusitano satírico" e investiu no sertanejo romântico. Em sua segunda formação, Otávio Corrêa passou a usar o nome de Manuel, emplacando grandes sucessos como "Boate Azul", "Som da Cristal", "Minha Música", "Avenida Boiadeira" entre outros. Com a saída de Otávio, em 1997, Edvaldo Santos assumiu o papel de Manuel. Texto: Sandra Cristina Peripato De: Recanto Caipira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ARLINDO BÉTTIO

Arlindo Béttio nasceu em 1920. Compositor, instrumentista, sanfoneiro, irmão do radialista e sanfoneiro José Béttio e do comunicador Oswald...